Homenagem aos que já se foram

26/01/2009 at 12:31 (Obituário) (, , )

Infelizmente, devido às limitações da resistência física humana, muitos dos nosso heróis Progressivos já não mais estão entre nós.
Em uma trágica, mas realista projeção, em 10 anos, pouquíssimos representantes da fase áurea do Progressivo mundial (67-77) estarão em atividade.
Devemos então, ao máximo que for possível, divulgar e adquirir as obras-primas que eles criaram, não somente para nosso próprio deleite, como também para faciltar a sua perpetuação e uma digna sobrevivência dos seus descendentes.
Este espaço, será sempre dedicado a homenagear os que se foram, com pequenas biografias e discografias selecionadas.

Richard Wright

Nascido na Inglaterra em 28/07/1943 e falecido em 15/09/2008, foi um dos mais brilhantes e discretos músicos do cenário Progressivo. Tecladista, vocalista, compositor e um dos fundadores da banda PINK FLOYD, sempre permaneceu à sombra dos líderes Roger Waters (também um dos fundadores)  e David Gilmour, mesmo tendo sido fundamental na elaboração e execução da maior parte dos clássicos da banda entre 1968 e 1977.

rickwright
Os timbres, arranjos e “climas” proporcionados pelos seus teclados eram sempre de muito bom gosto, perfeitamente encaixados nas composições e com belíssimas melodias. Igualmente belíssimas foram suas composições e sua marcante e suave voz.

Muito há para se destacar, mas, podem ser consideradas de maior relevância, as composições abaixo:

– Summer 68: Lançada no album “Atom Heart Mother”, logo tornou-se muito conhecida no Brasil por ser a trilha sonora de um comercial televisivo do “Banco Nacional”, transmitido em horário nobre, logo após o Jornal Nacional.

– Us and Then: Composta em conjunto com R.Waters, é, para muitos a mais bela composição do clássico album “Dark Side of the Moon”.

– The Great Gig in the Sky: Outra memorável composição de “Dark Side…”

Entre as suas mais fantásticas performances de estúdio estão as músicas “Echoes” (do album “Meddle”), “Shine on You Crazy Diamond” e “Welcome to the Machine” (de “Wish You Were Here”) e “A Saucerful of Secrets” (do album homônimo).

Também gravou albuns-solo e o destaque absoluto fica para o Excelente disco “Wet Dream”, de 1978.

Faleceu em 15 de setembro de 2008 com 65 anos.

Rick Van Der Linden

Multi-tecladista holandês, foi seguramente um dos mais virtuosos da história do Rock. Com seu fantástico domínio de piano, cravo e órgão deve ser enquadrado entre os baluartes dos teclados Progressivos, ao lado dos mundialmente conhecidos Keith Emerson e Rick Wakeman.

rick-der-linden-ernstig-ziek-211
Rick teve longa carreira e participou de várias grupos, mas os grandes destaques são as bandas EKSEPTION (que lhe lançou ao estrelato e com quem gravou 6 albuns) e TRACE, onde atingiu o ápice de sua criatividade e virtuosismo e por onde lançou 3 belíssimos trabalhos.

Além disso, teve extensa carreira-solo com mais de 10 lançamentos e muitas participações como convidado, tais como em discos de Jan Akkerman, Kayak, Kaz Lux e Jack Lancaster.

Faleceu em 28 de Janeiro de 2006 aos 59 anos.

Peter Bardens

Tecladista inglês, teve longa e extraordinária trajetória no universo Progressivo (e também do Blues e Rock).
Infelizmente, por uma daquelas ironias da vida, esteve longe de obter o reconhecimento merecido…

camel

Já alguns de seus ex-companheiros tornaram-se astros mundiais, tais como o cantor Rod Stewart (integraram o Shotgun Express em 1966), os futuros líderes do Fleetwood Mac, Mick Fleetwood e Peter Green (além do Shotgun Express, tocaram com Bardens no Peter B´s Looners) e o cantor Van Morrison (ambos participaram da lendária banda irlandesa THEM e nelas Peter participou de sessões de estúdio com Jimmy Page).

E mesmo na grande banda Progressiva que Bardens integrou – o CAMEL – seu imenso talento foi ofuscado pela genialidade brilhante do guitarrista Andy Latimer. No entanto, além de ter atuado brilhantemente com tecladista e vocalista, sua sensibilidade e criatividade nas composições foi extraordinária, tendo assinado sozinho obras do quilate de “Supertwister”, “Freefall”, “Mystic Queen”, “Arubaluba”, “Curiosity” e “Spirit of the Water”, além de ter dividido os créditos de praticamente todas as outras músicas dos 5 primeiros (e melhores) albuns da banda.

Além do Camel, também integrou a excelente banda Mirage e lançou diversos trabalhos solo, tantos nos início dos 70 quanto do final da década em diante.

Faleceu em 22 de Janeiro de 2002 aos 56 anos.

Claudio Fonzi

Link permanente Deixe um comentário